Movimento Livre Comércio é recebido na PMO e ACIO

06/01/2021

Na manhã desta quarta-feira (06) representantes do Movimento Livre Comércio, responsável pela passeata “ Olimpia não pode parar”, se reuniram com autoridades para apresentar as propostas e reivindicações que leva cerca de 300 ( trezentos) membros de vários segmentos da sociedade empresarial e civil a se unir em favor da necessidade de trabalho, dentro da Estância Turística de Olimpia, logo após a classificação de Fase Vermelha, pelo Plano São Paulo contra COVID 19, instituído para o final de ano, em suas datas principais de Natal e Réveillon, onde comerciantes, parques aquáticos e hotelaria, como um todo, passaram por um prejuízo sem precedentes.

Sob a nova classificação, que será anunciada no dia 07 (quinta-feira) pelo Governo do Estado, pesa a ameaça, devido ao número crescente de contaminações, a classificação do vermelho, outra vez, o que para Olimpia e suas atividades em geral, seria o sinônimo do apocalipse econômico.

O Movimento atento a possibilidade que nos assombra, tratou de reunir representantes do Comércio, Hotelaria, Saúde e Eventos para uma conversa franca com o chefe do executivo prefeito Fernando Cunha, que recebeu através de seu Secretário de Governo, Dr. Edilson De Nadai, a todos com respeito e pronto a explicar a realidade que a politica municipal vem enfrentando mediante a crise econômica e social que a pandemia traz com seus resultados.

Participaram da audiência  com o prefeito: Dr. Carlos Zanirato - representando os hoteis e pousadas, Maria Rosa da Sorveteria Granola e Marcos Miani ( eletrônicos) , Marco Rodrigues ( Marcão do Gazeta) , representando o comércio, Cintia Souza representando empresas, Dra. Francislaine Zanata Silva ( lider do movimento e advogada) e Cristiane Gracindo, representando Comunicação e Eventos. 

Várias questões foram colocadas ao prefeito Fernando, incluindo as multas e sanções que o comércio em geral vem recebendo, por conta do novo horário de funcionamento e suas limitações com a venda de bebidas alcoólicas, dentre outras indagações.

O prefeito de início, reconheceu a importância do movimento social, agradeceu o fato de sua gestão não ser atacada dentro do grupo, apesar de acolher as criticas como aprendizado e reflexão e,  de forma sensata, explicou todas as limitações que a gestão municipal enfrenta, uma vez que a orientação provém do âmbito estadual e , teceu suas críticas pessoais positivas e negativas, junto as ações tomadas pelo Ministério Público, sempre dando foco ao maior de todos os problemas, a saúde pública, os leitos que foram destituídos pelo executivo federal, e a real situação de Olimpia, frente a crise como um todo.

 

Por fim, apesar de não poder estar à frente do movimento, por questão de obediência e hierarquia de leis e suas orientações, estendeu a mão às frentes de trabalho, chamando a todos como “seus parceiros”, mas deixando um pedido de conscientização por parte do cidadão olimpiense, para que todo excesso seja evitado.

Com relação às multas, o advogado De Nadai apresentou um projeto de análise caso a caso para as infrações que foram autuadas. E nessa linha de pensamento, Cunha aproveitou a pauta para pedir a colaboração de todos no sentido de precauções para que não hajam mais conflitos, pois onde há o respeito às normas, sejam elas abusivas ou não, sempre haverá a possibilidade de uma defesa, para evitar um prejuízo ainda maior e, que ele enquanto prefeito, entende o cansaço de cada cidadão diante de tantas dificuldades, porém como autoridade tem o dever de fazer com que as leis sejam cumpridas.

Ao final da audiência com Fernando Cunha, o presidente da ACIO, Flávio Vedovato, recebeu a advogada Francislaine Zanata Silva e a empresária Cintia Souza, nos estúdios da TV ACIO, para que fosse anunciada a importância do Movimento Livre Comércio, suas reivindicações e a visão geral que a ACIO tem com relação a crise econômica, a solicitação dos comerciantes, a legalidade do movimento e, por fim abriu as câmera do programa, para o convite oficial para participação da nova carreata, que acontece hoje (06), à partir das 18:00 hs.

Olimpia pela primeira vez em sua recente história, une a classe hoteleira, comercial e sociedade civil em um só grito através deste movimento, que é livre e sem conotações políticas, para que apesar de ainda muito pequeno o grupo, a união de todos torna-se fundamental para que se faça ouvir em todos os cantos: “Olimpia não pode parar, nós queremos trabalhar”.

  Venha conosco! Participe dessa ideia.

 

Comentários

Apoio